O Livro de Elogios

28015

Livros

7980

Clientes

19

Edições

6

Primaveras

Porquê existir um Livro para reclamar, e não existir também um Livro para elogiar?

Talvez tenha nascido comigo esta vontade de reconhecer nos outros o que de melhor têm, o que de melhor fazem, o que de melhor expressam. Assim sendo, não foi difícil constatar que ao pretender elogiar o trabalho desempenhado por alguém na Segurança Social, na repartição de finanças, na loja onde adquiri o meu portátil, no centro de saúde da minha área de residência, não foi difícil, dizia eu, aperceber-me que existia um livro para reclamar, e que todos os funcionários sabiam da obrigatoriedade de o ter “bem-á-mão”, mas…para elogiar, para reconhecer o melhor daquele funcionário, daquela empresa ou instituição, ninguém sabia o que fazer.
Na verdade não estamos habituados ao elogio.
Não estamos habituados a sermos reconhecidos pelo nosso melhor, mas sim, condenados pelas nossas falhas, que habitualmente são carimbadas de “incompetências”.
Porque existia um Livro para reclamar, e não também um Livro para elogiar?
Certamente não serei eu a única a deparar-me todos os dias com pessoas maravilhosas, empáticas e verdadeiramente interessadas naquilo que fazem.
Acredito que existem lacunas que juntos poderemos colmatar e o elogio é uma delas.
Precisamos aprender a elogiar e a aceitar sermos elogiados também.

Elogiar é um acto nobre, que se foi perdendo num tempo, onde o foco, passou do individuo em si, para aquilo que ele faz. Se faz bem é bom, se faz mal não presta. Com esta ilusão de perfeição, fomos levados a olhar para aquilo que nos falta (principalmente qualidades) e não para aquilo que de maravilhoso temos.
E, assim caminhando solitário no tempo, o elogio foi perdendo o seu espaço, tomando a crítica as rédeas de tudo.
É preciso elogiar.
Reconhecer o que é bom e ousar deixar isso registado.
Por tudo isto, surgiu o “ Livro de Elogios”, que traz consigo a esperança de contribuir para um mundo melhor.
Um mundo onde cada Ser humano sinta vontade genuína de reconhecer o melhor de si próprio e do seu semelhante.
Afinal, para quê só dizer mal, se há tanto bem para dizer?
Recebam um abraço ‘elogiante’

Cristina Leal
(Mentora do projeto)